13/05/2016

Edward Snowden (1983)

Edward Joseph Snowden é um ex-analista de inteligência americano que tornou públicos detalhes de várias programas altamente confidenciais de vigilância eletrônica dos governos de Estados Unidos e Reino Unido. Snowden era um colaborador terceirizado da Agência de Segurança Nacional (NSA) e foi também funcionário da Central Intelligence Agency (CIA).

A revelação deu-se através dos jornais The Guardian e The Washington Post, dando detalhes da vigilância de comunicações e tráfego de informações executada pelo programa de vigilância PRISM dos Estados Unidos. Em reação às revelações, o Governo dos Estados Unidos acusou-o de roubo de propriedade do governo, comunicação não autorizada de informações de defesa nacional e comunicação intencional de informações classificadas como de inteligência para pessoa não autorizada.


Em 7 de maio de 2004, Snowden alistou-se no Exército dos Estados Unidos, como um soldado das Forças Especiais, mas não completou o treinamento. Ele disse que queria lutar na guerra do Iraque, porque "sentiu que tinha a obrigação como um ser humano de ajudar a libertar as pessoas da opressão". Seu emprego seguinte foi como guarda de segurança da Agência de Segurança Nacional (NSA) no Centro de Estudos Avançados de Língua na Universidade de Maryland, antes, ele disse ter se reunido à Agência Central de Inteligência (CIA) para trabalhar em segurança em TI. Em maio de 2006, Snowden escreveu na Ars Technica, um site de notícias de tecnologia e informação, que não tinha problemas para conseguir trabalho, porque ele era um "gênio da computação". Em agosto, ele escreveu sobre seu possível encaminhamento para um serviço no governo, talvez envolvendo China, que "simplesmente não parece ser tão "divertido" como "alguns dos outros lugares."

Fuga das autoridades 

Do Havaí, onde trabalhou na Booz Allen Hamilton, e antes de revelar documentos sigilosos aos jornalistas, Edward Snowden primeiro fugiu em 20 de maio de 2013 para Hong Kong, onde esperava conseguir asilo político. A pedido de autoridades norte-americanas de extradição, não teve sucesso e não cumpriu com as exigências do governo de Hong Kong. Em 22 de junho de 2013, as autoridades federais dos Estados Unidos apresentaram acusações formais contra esse ex-agente da CIA, pelo vazamento de dados secretos do governo que revelaram detalhes do projeto de monitoramento global, denominado PRISM, que monitorou as conversas telefónicas e transmissões na Internet de cidadãos dos EUA e de outros países.

Ele foi acusado também de espionagem, roubo e transferência de propriedade do governo, em um documento confidencial, apresentado em um tribunal federal da Virgínia, disseram funcionários americanos à imprensa local. Em 23 de junho de 2013, Snowden embarcou em um avião comercial da Aeroflot, desde Hong Kong para Moscou. Na manhã de 24 de junho de 2013 perdeu-se sua pista na área de trânsito do Aeroporto Internacional Sheremetyevo. Em 1 de agosto de 2013, Snowden saiu do aeroporto Sheremetyevo após passar mais de um mês na zona de trânsito local.

Asilo político 

Em 23 de junho de 2013, o Ministro dos Negócios Estrangeiros equatoriano, Ricardo Patiño, informou pelo Twitter que Edward Snowden pediu asilo político ao Equador, que posteriormente não foi processado por dúvidas e complexidade. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ofereceu asilo em seu país em 1º de julho de 2013, mas exigiu que para isso Edward Snowden pare de divulgar segredos norte-americanos. Em reacção, Snowden retirou o pedido de asilo à Rússia. Entre tempo enviou pedidos de asilo a 21 países, entre eles: Alemanha, Áustria, Bolívia, Brasil, China, Cuba, Finlândia, França, Índia, Itália, Irlanda, Países Baixos, Nicarágua, Noruega, Polónia, Espanha, Suíça e Venezuela. No dia 5 de julho, Nicolás Maduro, presidente da Venezuela anunciou a aceitação do pedido de asilo político de Snowden.  

Dia 6 de julho, Evo Morales, presidente da Bolívia, oferece asilo humanitário a Snowden, como resposta ao impedimento que o seu avião teve de sobrevoar países europeus. Com a descoberta de que o Brasil é alvo prioritário nas espionagens, muitos senadores defendem que Brasil conceda asilo a Edward Snowden. Asilo político na Rússia Em 1 de agosto de 2013, às 15h30, hora local, Edward Snowden entrou em território russo, depois de ter recebido documentação do Serviço de Migração russo que lhe concedeu asilo por um ano na Rússia. 

Indicação ao Prêmio Nobel da Paz 

O professor de sociologia da Suécia, Stefan Svallfors, indicou Snowden, ao Prêmio Nobel da Paz. Em carta endereçada ao Comitê Nobel norueguês, Svallfors afirmou que os feitos de Snowden são "heroicos e significaram grandes sacrifícios pessoais". No mesmo documento, afirmou ainda que a atitude do ex-analista da Agência de Segurança Nacional estimula que pessoas envolvidas em atos contrários aos direitos humanos possam denunciá-los. A indicação de Edward Snowden segue uma tendência já verificada em outros casos de vazamento de informações sigilosas. Bradley Manning, um soldado estadunidense que foi preso por divulgar registros em vídeo e documentos reservados do Exército dos Estados Unidos, foi nomeado para o prêmio em 2012. Julian Assange, fundador e principal porta-voz do WikiLeaks, foi indicado em 2011.  Fonte: wikipedia