13/05/2016

Laura Poitra (1965)

Laura Poitra é uma jornalista, documentarista, diretora e produtora. É um dos apoiantes iniciais do Freedom of the Press Foundation. De acordo com Glenn Greenwald, Poitras e Greenwald são as únicas duas pessoas com arquivos completos das 2013 divulgações de vigilância em massa que vazaram da NSA (Agência de Segurança Nacional).

Ela co-dirigiu, produziu, e filmou seus documentários. Ela recebeu o prêmio Peabody, Melhor Documentário, tanto o South by Southwest Festival (SXSW) de 2003 e o Seattle Lesbian & Gay Film Festival e o Prêmio Cineasta na Moldura Completa Documentary Film Festival. Ela foi nomeada para o Independent Spirit Award e o Prêmio Emmy em 2004.

http://www.nytimes.com/2013/08/18/magazine/laura-poitras-snowden.html?_r=0


Em 22 de agosto de 2012, o The New York Times publicou um Op-doc em um fórum de pequenos documentários produzidos por cineastas independentes que foi produzido por Laura Poitras. O documentário é baseado em entrevistas com William Binney, um veterano de 32 anos da NSA, que se tornou um informante e descreveu os detalhes do Stellar Wind, projeto que ele ajudou a projetar. Ele afirma que o programa que ele trabalhou tinha sido projetado para espionagem estrangeira, mas foi convertido em 2001 para espionar os cidadãos nos Estados Unidos, levando a preocupações por ele e outros que as ações eram ilegais e inconstitucionais e que levou à sua divulgação. O tema implica que a instalação que está sendo construída no Bluffdale, Utah é um mecanismo que faz parte do que a vigilância interna, destinada para o armazenamento de grandes quantidades de dados coletados a partir de uma ampla gama de comunicações que podem ser minadas facilmente para a inteligência sem mandados.

Poitras informou que em 29 de outubro de 2012, a Suprema Corte dos EUA  argumentou sobre a constitucionalidade das alterações à Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira que foram utilizados para autorizar a criação de tais instalações e justificar tais ações.

Em 2013, ela trabalhou com Jacob Appelbaum e escritores e editores da Der Spiegel produzindo histórias que expõem as atividades de inteligência dos EUA no exterior, principalmente na Alemanha. Fonte: wikipedia