17/05/2016

Mário Fontenelle (1919 -1986)

Natural do Delta do Parnaíba, Piauí, Mário Moreira Fontenelle nasceu em 29 de maio de 1919, filho de Manoel Moreira Fontenelle e de Maria José Dias Fontenelle. Casou-se com Carmen Andréa Paes Leme aos 26 anos, em 1945, com quem teve sua única filha, Sandra Sybila Fontenelle, nascida em 1946. No ano seguinte, o casal se separou.

De estatura média, olhos verdes, traços marcantes, Fontenelle era homem simples e de pouca instrução, como tantos outros nordestinos que aqui chegaram. Viveu seus anos de glória, proporcionados pela convivência com os presidentes Juscelino Kubitschek e João Goulart, contatos que lhe permitiu circular nos palácios presidenciais, entre políticos e autoridades, o que o tornou uma celebridade.

O encontro com Juscelino Kubitschek deu-se a partir de 1954, no governo de Minas Gerais, onde foi trabalhar como mecânico de avião, profissão que exercera antes dos vinte anos, nos Serviços Aéreos Condor, posteriormente, Cruzeiro do Sul. Em 1956, Fontenelle veio para Brasília, acompanhando a comitiva do Presidente Juscelino Kubitschek. Fotógrafo por acaso, é dele a mais célebre de todas as imagens – o cruzamento dos dois eixos, em forma de cruz, o Monumental e o Rodoviário, do projeto de Lucio Costa.

Fontenelle não tinha residência fixa, vivia num quarto do Hotel das Nações. Alimentava-se mal, bebia muito (cachaça e rum), não se preocupava com a saúde. Casou-se apenas uma vez, embora fosse um grande admirador da figura feminina, isso explica as muitas idas aos bordeis e o gosto por fotografar mulheres.

Em 1960, Fontenelle contraiu tuberculose, mas a aposentadoria ocorreu em 1969, com a ajuda de Lucio Costa. Nos últimos três anos de sua vida, doente, esquecido e abandonado, Fontenelle viveu no Lar dos Velhinhos Maria Madalena, no Núcleo Bandeirante, onde faleceu aos 67 anos. Macérrimo, o lado esquerdo do corpo paralisado por um derrame e a perna esquerda amputada, consequência de uma gangrena, Fontenelle acalentou seus últimos dias com a ilustre visita de Lucio Costa.

No seu sepultamento, em 23 de setembro de 1986, apenas três amigos , os fotógrafos Jankiel Goncvaroska e Sálvio Silva e o arquiteto Sílvio Cavalcante, à época, Diretor do Patrimônio Histórico e Artístico do DF. Fonte: Wikipedia
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...