08/06/2016

Newton Carlos de Figueiredo

Newton Carlos de Figueiredo é um jornalista brasileiro de imprensa e televisão, considerado um veterano na sua especialidade de comentarista internacional. 

Em 1940 já começou a escrever no “Correio da Manhã”. Depois, ao conhecer Carlos Lacerda, que trabalhava no mesmo jornal, passou para a “Tribuna da Imprensa”. Fazia de tudo: turismo, cinema, etc. Começou logo sua carreira de reporter. 

Era muito ativo e ambicioso, pois a “Tribuna” era um instrumento de luta política de Lacerda, e este um excelente jornalista. Newton, muito jovem, assistia suas palestras, procurando seguir seus ensinamentos. Fazia jornalismo sindical. E foi, a seguir, convidado pelo governo espanhol no exílio, a trabalhar em Bruxelas, na Organização Internacional dos Sindicatos Livres. 

Foi para a Europa e lá ficou por dois anos. E foi assim que começou sua carreira de jornalista internacional. Quando voltou ao Brasil já foi ser chefe de reportagem da “Revista Manchete”, que estava começando. Em 1960 foi contratado como editor internacional do “Jornal do Brasil”. 

 Criou a editoria política do “Jornal do Brasil”. Trabalhou, como jornalista, na primeira reunião da “Unctad”, Organismo das Nações Unidas. Estava na Europa, quando aconteceu no Brasil, a Revolução de 64, e, aconselhado por amigos, não voltou. Ficou em Paris por alguns meses e quando voltou, foi demitido. Era já colunista da “Folha de São Paulo”. E não voltou mais às redações. Passou a viver de suas crônicas sobre política internacional. Foi colunista da “Folha” por 25 anos. Foi correspondente estrangeiro para o “Latin Amerca News Letter”, para “Il Manifesto”, para o “Clarin”de Buenos Aires, para publicações peruanas e mexicanas. Escreveu muitos livros e começou a aparecer nos jornais de televisão, como comentarista político. 

Esteve na TV Excelsior, ao lado de Fernando Barbosa Lima. Participou do “Jornal de Vanguarda”. Esteve na TV Globo por muitos anos. Redigia o “Jornal da Globo”, precursor do “Jornal Nacional”. Esteve também na TV Rio. E ainda na TV Tupi do Rio de Janeiro e na TV Bandeirantes. Pela Bandeirantes cobriu todas as eleições americanas, desde 1972. E se especializou em assuntos latino-americanos. Daí tirou temas para os seus livros. Chegou a ser condecorado pelo governo peruano. Irriquieto, inteligente, explosivo, às vezes, Newton Carlos casou-se por quatro vezes. Tem três filhos de dois casamentos. Há doze anos, porém, está casado e agora diz que “definitivamente”. Hoje sossegado e feliz, diz, para seu próprio espanto, que “não vê, não pode imaginar o mundo sem Deus”. Fonte: Wikipedia