08/07/2016

Caio Tulio Costa (1954)

Caio Túlio trabalhou durante 21 anos no jornal Folha de S. Paulo onde foi editor, secretário de redação, correspondente na Europa, baseado em Paris, diretor de revistas e pioneiro nos investimentos do jornal em internet.

Foi ainda escolhido o primeiro ombudsman da imprensa brasileira, cargo que exerceu neste mesmo jornal onde polemizou com o colunista Paulo Francis.

Em seguida, Caio Túlio criou a Revista da Folha e, em 1995, começou a trabalhar na criação do que seria depois o Universo Online, o UOL, do qual, além de fundador, foi o diretor geral até 2002.

Ao se desligar do grupo Folha, no final de 2002, Caio Túlio passou a presidir a Fundação Semco, onde ajudou a criar o Instituto DNA Brasil, centro de estudos voltado para as questões estratégicas do Brasil.

Passou a dar aulas de Ética Jornalística em 2003 na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, cujo curso foi a base de seu doutorado na Escola de Comunicações e Artes na Universidade de São Paulo (USP).

Em maio de 2006 assumiu o cargo de presidente do Internet Group, braço de internet da Brasil Telecom, que reúne os portais e provedores iG, iBest e BrTurbo. Deixou o iG em janeiro de 2009 depois que a empresa foi adquirida pela Oi. Em 2099, trabalhou na consição de consultor para a elaboração de uma estratégia de plataforma para a convergência da Oi.

Em junho de 2008 Caio Túlio defendeu sua tese na USP e tornou-se doutor em Ciências da Comunicação. O trabalho trata da ética no jornalismo, tanto na sua forma enquanto imprensa tradicional quanto na nova mídia. Intitula-se "Moral Provisória - Ética e jornalismo: da gênese à nova mídia".

Em 2010 tornou-se sócio da MVL Comunicação, aonde trabalha na condição de responsável pela unidade de mídia digital. Caio Túlio também é o "chairman" da Phorm no Brasil, empresa especializada em "behavior targeted advertising" e professor do curso de pós-graduação em jornalismo da ESPM, em São Paulo. Fonte: Wikipédia