25/07/2016

Facebook (2004)

Mark Zuckerberg fundou o "The Facebook" em fevereiro de 2004, enquanto freqüentava a Universidade de Harvard, com o apoio de Andrew McCollum e Eduardo Saverin. Até o final do mês, mais da metade dos estudantes não-graduados em Harvard foi registrada no serviço. Naquela época, Zuckerberg se juntou a Dustin Moskovitz e Chris Hughes para a promoção do site e o Facebook foi expandido à Universidade de Stanford, à Universidade Columbia e à Universidade Yale. Esta expansão continuou em abril de 2004 com o restante das Ivy League, entre outras escolas. No final do ano letivo, Mark e Dustin se mudaram para Palo Alto, Califórnia, com Andrew que havia conseguido um estágio Electronic Arts. 


Eles alugaram uma casa perto da Universidade de Stanford, onde se juntaram a Adam D'Angelo e Sean Parker. Andrew McCollum decidiu deixar a EA para ajudar em tempo integral no desenvolvimento do Facebook e do site "irmão" Wirehog. Em setembro, Divya Narendra, Cameron Winklevoss e Tyler Winklevoss, proprietários do site HarvardConnection, posteriormente chamado ConnectU, entraram com uma ação judicial contra o Facebook alegando que Mark Zuckerberg teria utilizado código fonte ilegalmente do HarvardConnection, do qual ele tinha acesso. A ação não procedeu. Também nessa altura, o Facebook recebeu aproximadamente $500,000 do co-fundador do PayPal Peter Thiel, como um angel investor. Em dezembro a base de usuários ultrapassou 1 milhão. 

Em maio de 2005, o Facebook recebeu 12,8 milhões de dólares de capital da Accel Partners. Em 23 de agosto de 2005, o Facebook compra o domínio facebook.com da Aboutface por $200,000 e descarta definitivamente o "The" de seu nome. A esta data, o Facebook foi "repaginado" recebendo uma atualização que, segundo Mark, deixou mais amigável aos usuários. Também neste mês, Andrew McCollum retornou a Harvard, mas continuou atuando como consultor e retornando ao trabalho em equipe durante os verões. Como antes, Chris Hughes permaneceu em Cambridge, enquanto exercia sua função como representante da empresa. Então, em 2 de setembro, Mark Zuckerberg lançou a interação do Facebook com o ensino secundário. Embora inicialmente definido para separar as "comunidades" para que os usuários precisassem ser convidados para participar, dentro de 15 dias as redes escolares não mais exigiam uma senha para acessar (embora o cadastro no Facebook ainda exigisse). 

Em outubro, a expansão começou a atingir universidades de pequeno porte e instituições de ensino pós-secundário (junior colleges) nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, além de ter expandido a vinte e uma universidades no Reino Unido, ao Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Monterrey no México, a Universidade de Porto Rico em Porto Rico e toda a Universidade das Ilhas Virgens nas Ilhas Virgens Americanas. Em 11 de dezembro de 2005, universidades da Austrália e Nova Zelândia aderiram ao Facebook, elevando sua dimensão para mais de 2 mil colégios e mais de 25 mil universidades em todo o Estados Unidos, Canadá, México, Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia e Irlanda.

Em 27 de fevereiro de 2006, o Facebook passou a permitir que estudantes secundaristas adicionassem estudantes universitários a pedido dos usuários. Um mês depois, em 28 de março, a revista BusinessWeek noticia que uma potencial aquisição estava em negociação. O Facebook declaradamente recusou uma oferta de $750 milhões, e estimou seu preço em $2 bilhões. Em abril, Peter Thiel, Greylock Partners e Meritech Capital Partners investiram um adicional de $25 milhões no site. Em maio, a rede do Facebook se expandiu à Índia, no Indian Institutes of Technology (IITs) e no Indian Institutes of Management (IIM). No mês seguinte, o Facebook ameaçou pedir até $100,000 ao Quizsender.com por violação de copyright por copiar "visual e sensação" do Facebook. 

Em 25 de junho, novos recursos foram adicionados ao site para potencialmente atrair receitas adicionais. Foi feita uma promoção em parceria com a iTunes Store onde membros da Apple Students iriam receber gratuitamente 25 sons de amostra em vários gêneros musicais por semana até 30 de setembro. A promoção propunha deixar os estudantes mais entusiasmados e familiarizados com os serviços. Em meados de agosto, o Facebook adicionou universidades na Alemanha e colégios em Israel à sua rede. Em 22 de agosto o Facebook introduz o Facebook Notes, um recurso de blog com sistema de tags, imagens embutidas, entre outros recursos também permitindo a importação dos serviços de blogs Blogger, Xanga e LiveJournal. Este recurso ganhou posteriormente a possibilidade de comentar os posts comum nos sistemas "concorrentes". Em 11 de setembro o Facebook foi aberto para cadastro para todo o público.

Em 10 de maio de 2007, o Facebook anuncia um plano para adicionar classificados grátis em seu website. Este recurso ganhou vida em 14 de maio e foi chamado Facebook Marketplace. Também em maio, o Facebook lança sua API, chamada Facebook Plataform, para desenvolvimento de aplicações para serem usadas no site. Em junho, a parceria com a iTunes Store foi continuada oferecendo amostras de músicas grátis para o grupo Apple Students. Em julho o Facebook anuncia sua primeira aquisição: Parakey, Inc, de Blake Ross e Joe Hewitt. Em agosto, a companhia foi capa da edição especial anual "College" da Newsweek. Em 25 de setembro surge um rumor de que a Microsoft teria interesse em comprar parte do Facebook; rumor este confirmado um mês depois com a compra de 1.6% do Facebook por $240 milhões. Uma venda completa do Facebook é no momento, improvável, diz Mark Zuckerberg. Em 7 de novembro de 2007, o Facebook anuncia o Facebook Ads, uma iniciativa de marketing que inclui um sistema de sites parceiros para permitir aos usuários compartilhar informações sobre suas atividades neles com amigos no Facebook (Facebook Beacon); a possibilidade de empresas hospedarem páginas no Facebook de várias marcas, produtos e serviços (Facebook Pages); um sistema de veiculação de anúncios baseado no perfil do usuário e de seus amigos e em dados de atividade (Facebook Social Ads); e um serviço de fornecimento de publicidade com empresas fornecendo dados analíticos incluindo métricas de desempenho (Facebook Insights).

No que diz respeito à privacidade, o Facebook afirma que "nenhuma informação pessoal identificável é partilhada com o anunciante ao criar a Social Ad" e que "usuários do Facebook apenas verão os Social Ads à medida que os amigos compartilharem informações com eles".O Facebook Ads substitui o programa anterior Facebook Flyers Em 30 de novembro de 2007 o bilionário chinês Li Ka-Shing investe $60 milhões no Facebook. Fonte: wikipedia