17/07/2016

Franklin Martins (1948)

Começou a trabalhar como jornalista aos quinze anos, como estagiário do jornal “Última Hora”.

Aos vinte anos, como estudante de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (à época Universidade do Brasil), Franklin foi eleito presidente do DCE da Universidade e, logo depois, vice-presidente da União Metropolitana dos Estudantes, do Rio de Janeiro.

Quando jovem, foi líder estudantil e depois guerrilheiro, militante do grupo comunista MR-8, em que era conhecido pelo codinome de Valdir. Durante o regime militar, teve papel importante nos movimentos que se opunham a tal regime e tinham como objetivo a instalação de um regime de molde socialista no Brasil.

Em setembro de 1969, integrou o grupo, formado por militantes da Ação Libertadora Nacional (ALN) e do Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8). Neste período ele se aproximou do então líder estudantil José Dirceu e foi um dos mentores do seqüestro do embaixador dos Estados Unidos, Charles B. Elbrick para forçar o governo brasileiro a libertar quinze guerrilheiros presos. Devido a tal fato, Franklin Martins está até hoje impedido de entrar nos Estados Unidos - situação similar à do deputado Fernando Gabeira, que também participou do seqüestro.



Franklin Martins esteve preso entre os meses de outubro e dezembro de 1968 e foi libertado um dia antes do Ato Institucional 5. Depois passou a ser procurado por roubo a banco e assalto a carro pagador efetuados com o objetivo de obter dinheiro para financiar a luta armada contra a ditadura de direita e pela implatação de um Regime Comunista.

Devido à repressão do governo militar, partiu em exílio para Cuba, no Chile e na França. Enquanto esteve em Cuba, na província de Pinar del Río, teve aulas de armamento, explosivo, túneis e principalmente táticas militares. Na França, diplomou-se na Escola de Ciências Sociais da Universidade de Paris. Voltou para o Brasil com a anistia concedida pelo governo militar.

Como jornalista, foi comentarista político em diversos veículos, até chegar à Rede Globo em 1996, atuando no Jornal Nacional e no Jornal da Globo até maio de 2006. Trabalhou ainda na Rede Bandeirantes, onde fazia comentários diários sobre política nos telejornais da casa e também no Jornal Gente, da Rádio Bandeirantes. Em 2007, foi convidado a ser ministro da Comunicação Social do governo Lula.

No governo, Franklin Martins tem a função das relações do governo com a imprensa, da publicidade oficial e também do projeto de uma rede nacional pública de TV.

Foi considerado pela Revista Época um dos cem brasileiros mais influentes do ano de 2009. Fonte: Wikipedia