26/07/2016

Melvin DeFleur (1923)

Com a massificação da televisão, o sociólogo Melvin DeFleur iniciou seus estudos sobre mass media. Especificamente,  ele pesquisou o efeito da televisão no conhecimento da criança sobre papéis ocupacionais, e fatores que influenciaram o conteúdo do sistema americano de transmissão. DeFleur entre outros estabeleceram a definição da Teoria de experimentação social, junto ao modelo previsto que assistir televisão sintoniza  o telespectados à padrões de organização social de diversos grupos, mesmo se eles nunca houvesse sido e nunca serão membros desses grupos. (DeFleur & Ball-Rokeach, 1989). 

Outros trabalhos examinaram potenciais relações forjadas pela mass media entre a percepção de problemas sociais e seu retrato pela mídia. (Hubbard et al., 1975). 

Seu livro mais importante foi Teorias da Comunicação de Massa - que escreveu junto com Sandra Ball-Rokeach, onde procura explicar tal processo, assim como se explica uma receita de bolo. Entretanto, logo no início do livro, ambos os autores explicitam as limitações de se paralisar um processo para buscar entendê-lo, principalmente um processo em constante evolução, como é a comunicação.


De Fleur e Ball-Rokeach afirmam que as teorias da comunicação são limitadas e não podem ser tomadas como verdade concreta. A limitação se dá pelo fato de se estudar um processo, que, como o próprio significado da palavra, é algo que está em constante movimento e transformação. Como qualquer processo explicado pela sociologia, a comunicação acompanha as transformações sociais, crescendo, ampliando, mudando o contexto. Isso ocorre tanto na esfera comunicativa quanto na esfera atingida por tais transformações. A comunicação muda a sociedade e a sociedade muda as pessoas. Fonte: Wikipedia