07/09/2016

Teoria do Rádio

Considerado um dos primeiros teóricos a estudar a importância do rádio, o dramaturgo alemão Bertold Brecht escreveu, entre 1927 e 1932, uma série de textos que veio a ser conhecida como "Teoria do Rádio". Nela, ele especula sobre as possibilidades políticas da tecnologia radiofônica, ainda em expansão.

No texto “O rádio: uma descoberta antediluviana?”, Brecht narra que o rádio tomou o lugar do jornal com sua instantaniedade atingindo o mundo inteiro e propõe que a burguesia reinvente o rádio e busque novas possibilidades de informação.

O sonho de Brecht era fazer do rádio um veículo democrático. Ele vislumbrou, além dos fins estéticos e artísticos do rádio, a  possibilidade do fazer política através de um sistema de comunicação participativo, o que forçaria transparência e interação nos atos e decisões da sociedade. O alerta veio no segundo item da sua teoria “Sugestões aos diretores artísticos do rádio” que trata da programação radiofônica.

Com a radiopeça chamada “Comentários sobre o Vôo Transoceânico”, Brecht concluiu que “Não se deve subministrar o rádio, mas modificá-lo”. O autor afirma que é necessário fazer com que os ouvintes ajam e utilizem seu poder de produtores na educação. 

Brecht analisa ainda, no texto “Radiodifusão como meio de comunicação – Discurso sobre a função da radiodifusão”, a falta de participação do ouvinte e descreve como se pode mudar o rádio e tornar-se mais útil à comunidade. Propõe que os ouvintes devam ser os “abastecedores” de informações. Sendo assim, “o público não apenas tem que ser instruído, mas também tem que instruir”.

Teoria do Rádio - Bertolt Brecht